Translate

4 de dezembro de 2012

“DIA D”



“Porque vós mesmos sabeis perfeitamente que o dia do Senhor virá como vem o ladrão de noite” – (I Tessalonicenses 5:2).

A expressão “Dia D” na linguagem militar é um termo utilizado para designar com exatidão o dia de início de uma ofensiva ou uma operação de guerra.

Examinando a história vamos encontrar o dia 6 de Junho de 1944, um dos dias “D” mais famosos. Neste dia, 175 mil soldados aproximadamente (americanos, ingleses e canadenses), desembarcaram nas praias da Normandia para libertar a França da ocupação nazista durante a Segunda Guerra Mundial. O presidente norte-americano Roosevelt convidou o general Eisenhower para comandar esta operação que recebeu o nome de Overlord. Veja na seqüência as palavras do general em resposta ao convite: “Senhor presidente, compreendo que tal designação implica decisões difíceis (...) Espero que o senhor não se decepcione”. E Roosevelt não se decepcionou. O fator surpresa auxiliou a operação. Os alemães achavam que seria impossível qualquer ataque através do canal enquanto as ondas estivessem altas e que muito provavelmente as manobras aconteceriam na época de lua nova e maré alta. O final da história você conhece – derrota alemã na Segunda Guerra Mundial.

Contudo, examinando a História bíblica vamos encontrar impressos – O dia do Senhor no Antigo Testamento e Novo Testamento que poderíamos perfeitamente resumir esta frase para – “Dia D”. Sendo que no A.T. ele serve para explicar a intervenção de Deus na história da humanidade, envolvendo salvação e julgamento do homem, e N.T. refere-se à Segunda Vinda do Senhor Jesus Cristo.

Dia “D” no Antigo Testamento. Os profetas Isaías e Sofonias escreveram: “Uivai, porque o dia do Senhor está perto; virá do Todo-Poderoso como assolação” – (Is 13:6); “O grande dia do Senhor está perto; sim, está perto, e se apressa muito; hei-la, amarga é a voz do dia do Senhor; clama ali o homem poderoso. Aquele dia é dia de indignação, dia de tribulação e de angústia, dia de alvoroço e de assolação, dia de trevas e de escuridão, dia de nuvens e de densas trevas, dia de trombeta e de alarido contra as cidades fortificadas e contra as torres altas” – (Sf 1:14-16). Estes versos não deixam dúvidas sobre o julgamento do Senhor que acontecerá no “dia do Senhor”. Este dia será marcado por acontecimentos indescritíveis, ou seja, agonia, alvoroço, densas trevas e outros sinais narrados na Bíblia.

Dia “D” no Novo Testamento. Os apóstolos Lucas e Paulo escreveram: “Pois, assim como o relâmpago, fuzilando em uma extremidade do céu, ilumina até a outra extremidade, assim será também o Filho do homem no seu dia” – (Lc 17:24); “O qual também vos confirmará até o fim, para serdes irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo” – (I Co 1:8). Aprendi, sem precisar frequentar escola, que relâmpagos, raios e ribombar dos trovões prenunciam chuvas e tempestades. Descobri também que praticamente é impossível não perceber o brilho do relâmpago. Assim sendo, compreendo que Lucas afirma que no dia do Senhor todos assistirão este fenômeno que acontecerá rapidamente (Ap.1:7), contudo, entendo também que os “trovões” precedem o Dia D.

Quando Jesus estava no Monte das Oliveira, ministrando sobre escatologia, chegaram-se a Ele os seus discípulos em particular dizendo: “Quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda, e do fim do mundo? Jesus respondendo disse-lhe: Acautelai-vos, que ninguém vos engane. Fiquem atentos sobre os fatos que antecederão a minha vinda. Vou citá-los alguns: falsos cristos, guerras, rumores de guerras, nação se levantaram contra nação, reino contra reino, haverá fomes, pestes, terremotos em vários lugares, os cristãos serão perseguidos, alguns serão mortos, muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, haverá ódio, surgirão falsos profetas e enganarão a muitos, o amor se esfriará, não obstante, o evangelho será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim – “O Dia D” – (Mt 24).

Não seja você surpreendido como foram os alemães na Segunda Guerra, achando que Jesus não voltará nesta época. Não interprete escatologia como matéria distante de nossos dias. Não subestime e nem superestime a influência que o inimigo do homem exerce nesta batalha travada entre o bem e o mal que cessará somente no Dia do Senhor.

Creia que o homem que está em Cristo não tem porque temer o Dia do Senhor. Por quê? “Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor” - (I Tessalonicenses 4:16,17).

Diante do Supremo e Altíssimo Deus, faça como o general Eisenhower. Diga: Senhor Deus, compreendo que aceitar Jesus Cristo como meu único e suficiente Salvador é algo que implica decisões difíceis que terei que tomar nesta guerra espiritual, contudo, o faço ou já fiz, e espero que o Senhor não se decepcione. Amém? 


___________Capelão - Plínio Cavalheiro.

Nenhum comentário: